A revogação do que não foi instituído

Série: “A Bíblia e a Maldição Hereditária”.

Texto: Sergio de Souza.

Como vimos na publicação anterior, a falsa doutrina da Maldição Hereditária baseia-se, principalmente, no texto de Êxodo 20:2-6. Há outras referências a este respeito em Êxodo 34:6-7 e em Deuteronômio 5:7-10.

Quanto à datação destes eventos não há unanimidade, porém em eventos históricos muito antigos sempre há certa tolerância. Para o efeito desejado neste artigo, vamos usar as datas da Bíblia NVI em Ordem Cronológica, da Editora Vida.

Êxodo 20 – 1.462 a.C.

Êxodo 34 – 1.462 a.C.

Deuteronômio 5 – (repetição de Êxodo 20) – 1.423 a.C.

Agora vamos falar sobre um texto de 592 a.C.: Ezequiel 18. A íntegra do capítulo está no fim deste artigo. Colocaremos apenas algumas citações a seguir:

Judá (o reino do Sul) já havia sofrido duas grandes invasões dos babilônios (em 605 a.C. e em 597 a.C. – sofreria, ainda, a final em 586 a.C.) e os cativos na Babilônia reclamavam que estavam pagando pelos pecados de seus pais.

Então o SENHOR manda dizer que não mais queria ouvir isso (v.3) e diz que “a alma que pecar, essa morrerá” (v.4b).

Narra, em seguida, vários comportamentos humanos que Ele, o SENHOR,  aprova ou reprova (vv. 5-9a), citando três gerações, intercaladas entre justos e injustos. entre bons e maus, entre obedientes e desobedientes. A conclusão é esta:

20 A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai, a iniquidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este.

21 Mas, se o perverso se converter de todos os pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e fizer o que é reto e justo, certamente, viverá; não será morto.

22 De todas as transgressões que cometeu não haverá lembrança contra ele; pela justiça que praticou, viverá.

23 Acaso, tenho eu prazer na morte do perverso? —diz o Senhor Deus; não desejo eu, antes, que ele se converta dos seus caminhos e viva?

24 Mas, desviando-se o justo da sua justiça e cometendo iniquidade, fazendo segundo todas as abominações que faz o perverso, acaso, viverá? De todos os atos de justiça que tiver praticado não se fará memória; na sua transgressão com que transgrediu e no seu pecado que cometeu, neles morrerá.
E conclui, mais adiante:

30 Portanto, eu vos julgarei, a cada um segundo os seus caminhos, ó casa de Israel, diz o Senhor Deus. Convertei-vos e desviai-vos de todas as vossas transgressões; e a iniquidade não vos servirá de tropeço.

31 Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes e criai em vós coração novo e espírito novo; pois, por que morreríeis, ó casa de Israel?

32 Porque não tenho prazer na morte de ninguém, diz o Senhor Deus. Portanto, convertei-vos e vivei.

Neste texto, ao contrário do que diz o de Êxodo 20:2-6, não há menção sobre “maldição até a terceira ou quarta geração“, para a descendência do injusto, nem de “misericórdia para até mil gerações” para a descendência do justo. Por quê?

Simplesmente porque aquele texto fala sobre maldição para uma sequência de gerações que aborrecem ao SENHOR, tendo outros deuses como senhores de sua vida. E se, no meio destas gerações, aparece uma que ama ao SENHOR? A resposta está nos textos de Ezequiel 18, ou seja, ele “não pagará pelos pecados de seus antepassados“.

Mesmo que a base bíblica (Gn 20:2-6) usada pelos defensores desta heresia fosse usada corretamente (e não é), teria sido revogada quase novecentos anos depois, em Ezequiel 18.

Viver na Lei não é um bom negócio. Primeiro motivo: a Lei foi dada para que o homem entendesse que não pode salvar-se por seus próprios méritos. Segundo motivo: “Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça.” – Romanos 6:14. Também os textos de Atos 15 e a maior parte da carta de Paulo aos Gálatas mostram que a Igreja não deve querer viver na Lei, debaixo do ritualismo da Lei.

Mas pra quem gosta de viver na Lei e seus rituais (e, acredite, tem quem goste e queira), o texto de Ezequiel 18 é suficiente para sepultar qualquer teoria sobre esta falsa doutrina (Maldição Hereditária).

Fazer rituais de quebra de maldição hereditária, sob a hipótese de que houve, em três ou quatro gerações atrás, alguém que desprezou o SENHOR é, inclusive, segundo a probabilidade matemática, irracional e absurdo, uma vez que, seguindo a base bíblica indevida (Êxodo 20:2-6) há a misericórdia para mil gerações.

Qual a maior probabilidade: haver em três ou quatro gerações alguém que desprezou ao SENHOR ou em mil gerações alguém que o amou? Ora, contra bases indevidas, além da devida (Ezequiel 18), pode-se produzir respostas no mesmo nível de tolice.

Maldição Hereditária é um ensinamento equivalente ao Espiritismo. Se neste, segundo a teoria, o indivíduo paga, sem saber, por pecados cometidos em uma “vida anterior”, naquele o indivíduo paga, também sem saber, por um pecado cometido por um ascendente. Ambos não têm qualquer fundamento bíblico.

A única Maldição Hereditária existente é a do Pecado cometido no Éden (Gn 3) que trouxe maldição à Terra, ao homem, à mulher, e à descendência deles.

Como vivemos na Graça, sabemos que Cristo fez-se maldição em nosso lugar (Gálatas 3:13) e que basta aceitar o seu sacrifício, mediante a fé, e ser livre da morte eterna. Este é o tema do próximo artigo desta categoria (Maldição Hereditãria).

Aguardem!!!

Ezequiel 18

1 Veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:

2 Que tendes vós, vós que, acerca da terra de Israel, proferis este provérbio, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram?

3 Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, jamais direis este provérbio em Israel.

4 Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá.

5 Sendo, pois, o homem justo e fazendo juízo e justiça,

6 não comendo carne sacrificada nos altos, nem levantando os olhos para os ídolos da casa de Israel, nem contaminando a mulher do seu próximo, nem se chegando à mulher na sua menstruação;

7 não oprimindo a ninguém, tornando ao devedor a coisa penhorada, não roubando, dando o seu pão ao faminto e cobrindo ao nu com vestes;

8 não dando o seu dinheiro à usura, não recebendo juros, desviando a sua mão da injustiça e fazendo verdadeiro juízo entre homem e homem;

9 andando nos meus estatutos, guardando os meus juízos e procedendo retamente, o tal justo, certamente, viverá, diz o Senhor Deus.

10 Se ele gerar um filho ladrão, derramador de sangue, que fizer a seu irmão qualquer destas coisas

11 e não cumprir todos aqueles deveres, mas, antes, comer carne sacrificada nos altos, contaminar a mulher de seu próximo,

12 oprimir ao pobre e necessitado, praticar roubos, não tornar o penhor, levantar os olhos para os ídolos, cometer abominação,

13 emprestar com usura e receber juros, porventura, viverá? Não viverá. Todas estas abominações ele fez e será morto; o seu sangue será sobre ele.

14 Eis que, se ele gerar um filho que veja todos os pecados que seu pai fez, e, vendo-os, não cometer coisas semelhantes,

15 não comer carne sacrificada nos altos, não levantar os olhos para os ídolos da casa de Israel e não contaminar a mulher de seu próximo;

16 não oprimir a ninguém, não retiver o penhor, não roubar, der o seu pão ao faminto, cobrir ao nu com vestes;

17 desviar do pobre a mão, não receber usura e juros, fizer os meus juízos e andar nos meus estatutos, o tal não morrerá pela iniquidade de seu pai; certamente, viverá.

18 Quanto a seu pai, porque praticou extorsão, roubou os bens do próximo e fez o que não era bom no meio de seu povo, eis que ele morrerá por causa de sua iniquidade.

19 Mas dizeis: Por que não leva o filho a iniquidade do pai? Porque o filho fez o que era reto e justo, e guardou todos os meus estatutos, e os praticou, por isso, certamente, viverá.

20 A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai, a iniquidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este.

21 Mas, se o perverso se converter de todos os pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e fizer o que é reto e justo, certamente, viverá; não será morto.

22 De todas as transgressões que cometeu não haverá lembrança contra ele; pela justiça que praticou, viverá.

23 Acaso, tenho eu prazer na morte do perverso? —diz o Senhor Deus; não desejo eu, antes, que ele se converta dos seus caminhos e viva?

24 Mas, desviando-se o justo da sua justiça e cometendo iniquidade, fazendo segundo todas as abominações que faz o perverso, acaso, viverá? De todos os atos de justiça que tiver praticado não se fará memória; na sua transgressão com que transgrediu e no seu pecado que cometeu, neles morrerá.

25 No entanto, dizeis: O caminho do Senhor não é direito. Ouvi, agora, ó casa de Israel: Não é o meu caminho direito? Não são os vossos caminhos tortuosos?

26 Desviando-se o justo da sua justiça e cometendo iniquidade, morrerá por causa dela; na iniquidade que cometeu, morrerá.

27 Mas, convertendo-se o perverso da perversidade que cometeu e praticando o que é reto e justo, conservará ele a sua alma em vida.

28 Pois se considera e se converte de todas as transgressões que cometeu, certamente, viverá; não será morto.

29 No entanto, diz a casa de Israel: O caminho do Senhor não é direito. Não são os meus caminhos direitos, ó casa de Israel? E não são os vossos caminhos tortuosos?

30 Portanto, eu vos julgarei, a cada um segundo os seus caminhos, ó casa de Israel, diz o Senhor Deus. Convertei-vos e desviai-vos de todas as vossas transgressões; e a iniquidade não vos servirá de tropeço.

31 Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes e criai em vós coração novo e espírito novo; pois, por que morreríeis, ó casa de Israel?

32 Porque não tenho prazer na morte de ninguém, diz oSenhor Deus. Portanto, convertei-vos e vivei.

.

V

Deixe um comentário


CAPTCHA Image
Play CAPTCHA Audio
Reload Image